Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 02-08-2010

SECÇÃO: Informação

«Do Alvão ao Ramelau»
José da Costa Oliveira apresentou livro

O autor na sessão de autógrafos
O autor na sessão de autógrafos
O Auditório do Centro Hípico de Cabeceiras de Basto, acolheu no dia 24 de Julho, a apresentação do livro «Do Alvão ao Ramelau». Uma publicação de autoria do cabeceirense José da Costa Oliveira, difundido sob a chancela Chiado Editora, cuja cerimónia de divulgação atraiu àquele espaço municipal, dezenas de pessoas, entre as quais familiares, amigos, autarcas e populares que ali se deslocaram para partilhar mais um momento cultural e literário com este autor que soma três livros editados.
Esta obra é um romance que relata a mobilização dos portugueses para as províncias ultramarinas, desde Cabo Verde a Timor, ocorrida na década sessenta do Século XX, abordando mais pecisamente trechos da vida militar comuns a todos aqueles que passaram pelos quartéis, pelas fileiras do exército português, no período que mediou entre 1961 e 1974.
À época, em Angola, Moçambique e Guiné combatia-se numa intensa guerra de guerrilha. Em Timor vivia-se o receio constante de que a Indonésia, de um momento para o outro, se dispusesse a fazer o mesmo que a União Indiana, fizera, alguns anos antes, relativamente ao estado Português da Índia.
Enquanto que uma minoria se decidia pela deserção, o protagonista, José de Paiva Couceiro, integrando o grupo daqueles que das fraquezas fizeram forças, veio a ser um exemplo para todos os seus camaradas, tendo merecido da autoridade máxima militar a autorga de um louvor, como consta da nota de assentos.

Música e letras deram azo a momento singular

Ao som dos trompetes, deu início este evento promovido pela Câmara Municipal. Na oportunidade, o vereador da cultura Dr. Domingos Machado, a quem coube abrir a sessão, enalteceu a coragem do autor por publicar os seus escritos e assim, partilhar com os leitores testemunhos de um passado recente que contribuem para divulgar a nossa memória colectiva. O autarca referiu que estas iniciativas resultam de uma política cultural com mais de 15 anos de trabalho, que paulatinamente tem contribuido para preservar, valorizar e divulgar o património concelhio seja edificado ou imaterial. É nesta manifestação de registos, nomeadamente no campo das letras, que fica a marca da nossa existência, disse.
Por sua vez, o Presidente da edilidade, Engº Joaquim Barreto, começou por elogiar o percurso de vida do autor, homem tenaz e humilde, cuja forma de estar deve servir de exemplo, quer pela capacidade, quer pela energia que sempre demonstrou em se valorizar e com esta valorização dar o seu contributo na família e na sociedade. Nascido em 1945, este é um homem com quem se identifica e que recorda nos textos que lê, os tempos de outrora, contribuindo assim para ajudar a conhecer um pouco mais sobre a história deste concelho e do modus vivendi das suas gentes.
O autarca fez ainda algumas alusões à obra, aos cenários e ao tempo em que o romance se desenvolve. Este é mais um título da colecção Viagens na Ficção. «Do Alvão ao Ramelau» é como já referido, a terceira obra da sua autoria, tendo em 2007 publicado «Crónicas de Basto e do Mundo» e em 2008, «O Nariz do Mundo», ambas sob a chancela da Papiro Editora.
O autor, José da Costa Oliveira, agradeceu a presença de todos, assim como o apoio que lhe tem sido prestado e que tem contribuido para a publicação das várias obras, permitindo desta forma, a partilha dos seus textos com o público em geral.
A cerimónia terminou com uma sessão de autógrafos e com um verde-honra oferecido pela Autarquia Cabeceirense a todos os presentes, servido ao som dos trompetes que “abrilhantaram” a iniciativa.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.