Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 21-06-2010

SECÇÃO: Concelho em acção

VÂNDALOS DESTROEM CRIMINOSAMENTE
BENS PÚBLICOS EM CABECEIRAS DE BASTO

foto
Muitas vezes é assim. Deparamo-nos com a destruição malvada e criminosa de bens e espaços públicos.
O esforço para que Cabeceiras de Basto disponha de equipamentos colectivos que possam ser fruídos pela população, o esforço para embelezar e tornar agradáveis e confortáveis os espaços públicos, o esforço para melhorar a qualidade de vida dos Cabeceirenses, esbarra, tantas e tantas vezes, com a atitude inqualificável, perversa, mesquinha, criminosa e lamentável de uns tantos, que acreditamos nem serão muitos, que deliberadamente roubam, destroem, borram, partem, danificam, tudo o que encontram pela frente, numa atitude de puro vandalismo.
As "pinturas" nas paredes exteriores e  interiores (tecto) das instalações sanitárias públicas são frequentes
As "pinturas" nas paredes exteriores e interiores (tecto) das instalações sanitárias públicas são frequentes
Esta insurreição resulta em enorme prejuízo para o erário público. Mas pior do que os prejuízos financeiros, muito elevados como facilmente se percebe e naturalmente sempre maus, é o facto dos cidadãos ficarem privados ou limitados na utilização dos espaços ou equipamentos destruídos.
As fotos que aqui reproduzimos hoje mostram o que tem acontecido nos últimos tempos. E a pergunta impõe-se: como resolver?
No Centro de Educação Ambiental partiram os vidros
No Centro de Educação Ambiental partiram os vidros
Vale a pena com certeza mantermo-nos atentos e, na medida das possibilidades de cada um, defender aquilo que é de todos nós. Bem sabemos que não é possível ter um polícia em cada praça, rua ou esquina, mas também às autoridades poderemos pedir que à semelhança do que fazem com o trânsito, promovam acções de fiscalização, bem pensadas e planeadas, para que os responsáveis por tais actos possam ser identificados e presentes à justiça.
Se assim não for, vamos continuar a lamentar estas atitudes ignóbeis de gente cuja razão da sua própria existência tem dificuldade em justificar. Talvez se pusessem em prática a educação que receberam dos seus pais, não se divertiam a roubar, a estragar e a destruir aquilo que foi feito para proporcionar o bem-estar a todos nós.
No Penedo da Palha, roubaram os bancos
No Penedo da Palha, roubaram os bancos
Aos leitores, o meu pedido de desculpas pela forma como este texto está escrito, mas têm chegado à nossa redacção imensas fotos e imensos relatos de vandalismo. E, por vezes, é preciso abanar as consciências. Pode ser que tenha algum resultado. Assim esperamos.
foto

foto

No Poço do Frade foram várias as destruições praticadas no edifício ali existente, nomeadamente nos quartos de banho
No Poço do Frade foram várias as destruições praticadas no edifício ali existente, nomeadamente nos quartos de banho

Numa das entradas do Mosteiro S. Miguel de Refojos partiram e destruíram o gradeamento em ferro
Numa das entradas do Mosteiro S. Miguel de Refojos partiram e destruíram o gradeamento em ferro




© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.