Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 10-05-2010

SECÇÃO: Opinião

Mãe

Em silêncio penso nela
E de todas a mãe mais bela
Que existe na terra inteira
És minha raiz, minha rainha
Amo-te mãe, porque és minha
Tu serás sempre a primeira

O tempo vai e não vem
Tenho saudades tuas mãe
Do teu amor, do teu carinho
Agradeço-te mãe querida
Deste-me a alma e a vida
E ensinaste-me o caminho

Vi em teus olhos a luz do dia
Em teu regaço dormia
Por tuas mãos acariciado
Teus braços foram meu leito
Meu travesseiro foi teu peito
Em teu ventre fui gerado

Nos teus lábios vi a dor
Em teus gestos o amor
No teu rosto, o meu jardim
E fosse lá quando fosse
O teu olhar meigo e doce
Sempre sorria p’ra mim

Nas palavras a verdade
Em teu olhar a bondade
Teu corpo foi minha morada
Andei dentro de ti mãe
Graças a ti sou alguém
Sem ti não seria nada

O tempo passa tudo passa
Mãe! Diz-me que queres que faça
Juro que não te esqueci
Trago-te no coração
Também te peço perdão
Dos erros que cometi

No teu sorriso a esperança
O mundo pula e avança
Tenho em mim um desejo
Voltar ao tempo passado
Ter-te agora ao meu lado
Para te poder dar um beijo
As rompidas pedras do caminho
Dizem-me manso e baixinho
Recordando o passado
A pele agora enrugada
Sempre bela, talvez cansada
De tanto teres lutado

Tudo que sou te agradeço
Não tem medida nem preço
O que fizeste por mim
És meu pensamento, minha dor
És a mais linda flor
Que existe no meu jardim

Fernando Carvalho

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.