Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 15-02-2010

SECÇÃO: Destaque

XIV FESTA DA ORELHEIRA E DO FUMEIRO ENCERRA COM BALANÇO POSITIVO

Cabeceiras de Basto acolheu, de 12 a 15 de Fevereiro, mais uma realização da Festa da Orelheira e do Fumeiro. Trata-se de um certame de referência no minho neste sector, que de ano para ano regista maior afluência de visitantes e movimenta milhares de euros, para gaúdio de produtores e organizadores.

Encerrou no dia 15 de Fevereiro, pelas 13h00m, a décima quarta edição da Festa da Orelheira e do Fumeiro de Cabeceiras de Basto, que contou com a presença de 60 produtores, sendo 43 de fumeiro, na sua maioria provenientes deste concelho, mas também dos concelhos vizinhos de Montalegre, Boticas e Vieira do Minho. Doze stands foram ainda ocupados com produtos locais como o vinho, o mel, as compotas, os doces regionais e o artesanato, bem como por instituições concelhias cuja actividade se relaciona com o desenvolvimento rural. Este certame foi visitado por cerca de cinquenta mil pessoas provenientes de vários pontos do país.

Milhares de pessoas visitaram o certame
Milhares de pessoas visitaram o certame
Uma iniciativa promovida pela Câmara Municipal e organizada pela Empresa Emunibasto, que se revelou uma vez mais, como uma oportunidade para promover e divulgar os produtos locais, nomeadamente os produtos derivados do porco, com destaque para as orelheiras, os presuntos, os salpicões e restantes enchidos como as alheiras, as linguiças e uma grande variedade de chouriços, entre outros.

Peservar e divulgar os produtos locais
O Presidente da Câmara deu as boas vindas a todos os produtores
O Presidente da Câmara deu as boas vindas a todos os produtores

Ao promover este tipo de certames, a Autarquia tem como objectivo contribuir para a preservação dos produtos genuínos, potenciando a agricultura tradicional assente num desenvolvimento sustentado, que ao comercializá-los possibilita a muitas famílias um complemento financeiro significativo e ajuda a combater a desertificação.
Confirmaram-se as expectativas iniciais ao serem comercializados cerca de 10.000kg de carne fumada e outros produtos derivados, o que representou um volume de facturação na ordem dos 112.000,00 Euros, sinónimo de bons negócios e de um balanço positivo.

O artesanato local confeccionado com lã, esteve presente no certame
O artesanato local confeccionado com lã, esteve presente no certame
Gastronomia e animação

No espaço da Festa da Orelheira e do Fumeiro a organização promoveu igualmente a gastronomia local com origem nos sabores do porco, mas também o vinho verde da região, os doces, o mel, o pão caseiro confeccionado com milho e centeio, do qual foram vendidos centenas de quilos, assim como, o artesanato local, respectivamente, a tapeçaria, as alfaias agrícolas habilmente confeccionadas em madeira, a lã e o linho. A promoção gastronómica esteve ainda presente no espaço do certame e em alguns dos restaurantes do concelho que aderiram à iniciativa, incluindo nas suas ementas pratos confeccionados com base nestes produtos derivados do porco.
Os Amigos do Retiro, de Pomar de Rainha, animaram a festa
Os Amigos do Retiro, de Pomar de Rainha, animaram a festa
Do programa de animação constou a realização de várias iniciativas que prenderam a atenção dos milhares de visitantes. A actuação de grupos etnográficos e folclóricos, as tocatas de concertina, acordeão e cavaquinhos animaram o espaço do certame, bem como o tradicional leilão da orelheira numa recriação do tradicional leilão em honra de Sto António, outrora realizado no final da missa dominical em várias aldeias e freguesias do concelho durante o Domingo gordo, bem como os cantares ao desafio, ateliers de máscaras, actividades estas que proporcionaram aos presentes, momentos de grande alegria e de verdadeira festa.

III Concurso do Chouriço e do Salpicão
A dança fez parte do programa
A dança fez parte do programa

A 14ª edição desta iniciativa, contou ainda com a organização do III Concurso do Chouriço e do Salpicão, organizada pela Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte – Delegação do Ave, onde participarem dezenas de produtores .
A Festa terminou com os cestos quase vazios e a satisfação quer dos expositores, quer da organização, pelo volume de vendas registado e pela forma como decorreram todas as acções programadas que contribuíram para o êxito desta edição da Festa da Orelheira e do Fumeiro que, mais uma vez, projectou os produtos locais e as potencialidades do concelho de Cabeceiras de Basto.
O tradicional leilão da orelheira foi muito apreciado
O tradicional leilão da orelheira foi muito apreciado

Qualidade, tradição e história

Ateliers de máscaras para os mais novos
Ateliers de máscaras para os mais novos
Contactado pelo jornal Ecos de Basto, o Presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, Engº Joaquim Barreto, disse na ocasião, que esta é uma iniciativa importante no panorama sócio-económico do concelho e da região. Isto porque, ao promover este tipo de certames, “estamos a despoletar todo um processo, que envolve várias fases e intervenientes. Desde a criação dos animais - porcos de raça bísara característicos destas terras, cujas condições de crescimento originam uma carne mais macia, entremeada e saborosa - passando pela preservação dos usos e costumes através da utilização de técnicas artesanais na confeccão destas iguarias que desvendam a rica gastronomia local, até à comercialização dos produtos de qualidade - alheiras, chouriços, salpicões, presunto, orelheira, entre outros - que o público pode saborear e adquirir, fazem parte deste laborioso fumeiro de Basto, de características muito próprias.
Por outro lado, ao mesmo tempo que este tipo de eventos pemite a salvaguarda do patimónio genético animal, permite também a dinamização da economia familiar, que desta forma contribue para manter a identidade da terra cada vez mais moderna e sustentável. Cabeceiras de Basto é um concelho que alia a hospitalidade transmontana com a alegria minhota, dado encontrar-se numa zona de transição e por isso de diversidade. Uma diversidade que se reflecte no saber receber desta gente que proporciona a quem nos visita um misto de qualidade, tradição e história.

As tocatas de concertina animaram o recinto
As tocatas de concertina animaram o recinto
Apoiar a economia

O edil Cabeceirense considerou ainda que a afluência de pessoas que anualmente visitam este certame, é reveladora quer da qualidade dos produtos expostos, quer da hospitalidade das gentes desta terra. Considerou também que o objectivo é contribuir para a promoção do concelho, não só em termos económicos, mas também em termos turísticos.
O folclore também esteve em destaque no programa
O folclore também esteve em destaque no programa
Potenciar a economia familiar, fixar pessoas e aumentar a sua rentabilidade são vectores inerentes à organização deste certame.
Visivelmente satisfeito o autarca adiantou que há também um trabalho muito positivo feito ao longo do ano que permite contabilizar, actualmente, cerca de dez cozinhas regionais certificadas que vendem e servem estes produtos locais, cuja dinâmica permite fixar quem está ligado à agricultura e refrear a desertificação, mantendo as pessoas no seu território, sobretudo nos locais mais sertanejos e como tal mais propícios à saída.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.