Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 02-11-2009

SECÇÃO: Opinião

A igreja da minha aldeia

Na igreja da minha aldeia
Tenho presente na ideia
Palavras do capelão
Os humildes crentes de joelhos
Ouvem atentos os seus conselhos
Com esperança, fé e devoção.

São João é padroeiro
Às vezes vem a terreiro
A esse local sagrado
Ver o povo em oração
Quando passa a procissão
No cruzeiro junto ao adro.
No altar Cristo na cruz
Seu triste olhar nos conduz
Nos ensina e nos protege também
O povo em comunhão
Verga-se e pede perdão
A imaculada Virgem Mãe.

O sino da igreja toca a defunto
A multidão reza em conjunto
A última oração
Com os olhos postos nos céus
Pede-se então ao nosso Deus
Que lhe conceda perdão.

A igreja cheia de esperança e de luz
Dobram-se os sinos, nasceu Jesus
É natal, há alegria e união
O povo reza e canta
E através da garganta
Pedem a Deus a salvação.

A igreja, cheira a flores e rosmaninho
O tilintar da campainha no caminho
É Páscoa, os foguetes estalam no ar
Há cânticos de aleluia ao Criador
O júbilo, a gente veste a rigor
Jesus vem a nossa casa nos visitar.

A igreja da minha aldeia
Em noite de lua cheia
Há silêncio, paz e calma
As badaladas do velho sino
Desde os tempos de menino
Soam dentro de minh’alma.

F. Carvalho

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.