Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 02-11-2009

SECÇÃO: Formação

O FUTURO À ESPERA DELES

             A Turma na Sala de Aula
A Turma na Sala de Aula
Na Escola Tecnológica de Lameiros está a decorrer o curso “Técnico Animador Sociocultural”, promovido pelo Centro de Formação de Chaves em parceria com a Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, a Emunibasto e o Centro de Emprego das Terras de Basto.
No dia vinte e nove de Julho, dezassete jovens oriundos das diferentes freguesias de Cabeceiras de Basto ingressaram neste Curso de Ensino Aprendizagem, após terem terminado a escolaridade mínima obrigatória.
foto
Os Cursos de Aprendizagem são cursos de formação profissional, com duração de dois anos e meio, dirigidos a jovens com idades compreendidas entre os 15 e os 25 anos, que visam aumentar a empregabilidade e responder às necessidades do mercado de trabalho. Este curso confere uma dupla certificação escolar e profissional e permitem a integração na vida activa e o prosseguimento de estudos.
A formação desenvolve-se em alternância entre a entidade coordenadora e a entidade de apoio à alternância – onde se realiza a formação prática, realizada em contexto de trabalho.
Os futuros Técnicos Animadores Sociocultural, após mais um dia de formação.
Os futuros Técnicos Animadores Sociocultural, após mais um dia de formação.
Os Cursos de Aprendizagem integram as componentes de formação que de seguida se apresentam:
Formação Sociocultural – componente com carácter transdisciplinar e transversal, que visa a aquisição ou reforço de competências académicas, pessoais, sociais e profissionais, tendo em vista a inserção na vida activa e a adaptabilidade aos diferentes contextos de trabalho. Visa, ainda, potenciar o desenvolvimento dos cidadãos, no espaço nacional e comunitário, proporcionando as condições para o aprofundamento das capacidades de autonomia, iniciativa, auto-aprendizagem, trabalho em equipa, recolha e tratamento da informação e resolução de problemas.
Carlos Vieira
Carlos Vieira
Formação Científica – componente que visa a aquisição de competências nos domínios de natureza científica que fundamentam as tecnologias, numa lógica transdisciplinar e transversal, no que se refere às aprendizagens necessárias ao exercício de uma determinada profissão.
Formação Tecnológica – componente que visa, de forma integrada com as restantes componentes, dotar os formandos de competências tecnológicas que lhes permitam o desenvolvimento de actividades práticas e de resolução de problemas inerentes ao exercício de uma determinada profissão.
Por fim, temos a Formação Prática em Contexto de Trabalho que visa desenvolver novas competências e consolidar as adquiridas em contexto de formação, através da realização de actividades inerentes ao exercício profissional, bem como facilitar a futura inserção profissional.
Sofia Rocha
Sofia Rocha
No contexto de sociedades em que o conhecimento se tornou na chave do progresso, o papel da formação assume um renovado protagonismo dado que esta é fundamental para o enriquecimento contínuo de saberes, capazes de sustentar maior produtividade e competências profissionais.
Vivendo numa sociedade em constante mudança, os nossos jovens devem estar preparados para o amanhã.
As expectativas deste grupo de jovens, em relação ao curso e ao futuro são muito semelhantes.
Como diz o Carlos Vieira “ Eu vou aproveitar esta oportunidade de formação para concluir o 12.º ano e ao mesmo tempo, adquirir um curso profissional esperando assim obter mais oportunidades de trabalho. O curso de Técnico Animador Sociocultural é uma área que me despertou grande interesse. A turma é acolhedora e acho que me integrei nela, já fiz amigos e farei mais até ao fim do curso.”
Andreia Pires
Andreia Pires
A Sofia acrescenta: “Soube da existência deste curso através do Centro de Emprego das Terras de Basto, e não pensei duas vezes em agarrar esta oportunidade! É um curso com muita saída profissional na nossa zona. Para além disso, tenho assim a possibilidade de conseguir uma dupla certificação, ou seja, concluir o 12.º ano e ter formação nesta área específica. Área em que eu gostaria no final do curso de trabalhar. E já lá vão dois meses que o curso iniciou e está a correr muito bem, esperando que continue assim até ao fim.”
“Entrei para o curso de Técnico de Animador Sociocultural com o objectivo de completar o 12º ano, mas passado algum tempo percebi que foi uma óptima escolha, pois é muito interessante e que através dele adquiro conhecimentos e experiências que no ensino regular não teria oportunidade de adquirir. Pretendo terminar o curso e quem sabe, exercer essa profissão”, diz a Andreia Pires.
Fátima Correia
Fátima Correia
A Fátima Correia diz: “Estou nesta formação profissional para terminar o 12º ano e ficar com uma especialização. É um curso que me agrada bastante, e gosto dos diferentes módulos que estou a aprender. Foi uma oportunidade única que eu não deixei escapar!”

Por fim, a Sónia diz “É um curso muito bom. As minhas expectativas depois de acabar é poder arranjar um trabalho na área, e para tal vou apostar na minha formação.”
Sónia Patrícia
Sónia Patrícia
O Curso de Animador Sociocultural pretende formar profissionais capazes de planificar, organizar, e/ou desenvolver actividades de animação e socioculturais (de carácter educativo, social, cultural, ocupacional, lúdico e recreativo) dirigidas a indivíduos, instituições, grupos e comunidades, utilizando saberes e técnicas veiculados pelas várias componentes de formação do Curso referidas anteriormente.
As saídas profissionais dos futuros “Técnicos Animadores” são diversas. Podem desenvolver as suas actividades em:
- Escolas,
- Associações e Centros Culturais, Recreativos e Desportivos;
- Bibliotecas e Ludotecas;
- Museus, Instituições de Gestão do Património e de Gestão Ambiental;
- Casas e Centros da Juventude;
- Equipamentos Sociais de Apoio a Idosos;
- Centros de Apoio a Deficientes;
- Instituições de Apoio à Infância;
- Empresas dedicadas à Animação de Festas ou de Ambientes Públicos;
- Ateliers de Ocupação de Tempos Livres.

Hoje a animação sociocultural assume um papel social de destaque, nomeadamente na nossa região onde existe elevados níveis de envelhecimento da população, e os serviços de apoio aos idosos tem vindo a crescer. A nível local e regional esta área da animação é muito relevante a curto e médio prazo em matéria de qualificação e empregabilidade. Portanto, no final desta etapa esperamos que “os futuros animadores” consigam alcançar os seus objectivos e entrar no mercado do trabalho.

Técnico de Animador Sociocultural
1.º Ano

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.