Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 29-06-2009

SECÇÃO: Opinião

A alma

Os olhos sentem,
Mas a alma não quer dizer.
Os olhos sorriem e mostram,
Mas os olhos mostram o que a alma não diz.

O coração sente o calor,
As mãos húmidas escondem o amor,
Os pés fogem de amar,
E a alma grita, amo-te!

As unhas têm o teu nome escrito,
As mãos apagam-no.
Mas a alma sente,
E os olhos já não conseguem mostrar!

Os lábios tentam esconder,
A felicidade da tua presença,
Mas o coração explode
E a alma não mente.

O olfacto sente o perfume da tua pele,
A alma sente mas os olhos não o dizem.
A alma sorri,
Mas os lábios não querem falar!

Tudo torna-se uma agitação,
Numa turbulência,
Em que o barco não consegue manter-se direito,
E acaba por afundar-se nas tuas mãos!

Já no fundo da tua alma,
Os meus olhos choram de tristeza.
A serenidade da certeza tornou-se na desarrumação do meu coração,
A alma morta, solta num corpo apagado…
Em que fez sentido sorrir,
E agora já nada mais faz sentido!

Amo-te, gritou a alma,
Mas o vento levou a brisa,
Que levava o que os olhos queriam mostrar,
E o corpo não chegou a tempo de explicar!


Por: Ana Preciosa

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.