Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 08-09-2008

SECÇÃO: Informação

Governo prepara Programa Nacional para a Valorização dos Territórios Comunitários

No âmbito do Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado, mais um organismo nacional alterou a sua orgânica. Trata-se da Direcção-Geral de Recursos Florestais que passa a ser Autoridade Florestal Nacional (AFN). Um organismo que será presidido pelo Engº António José Rego que até aqui, exercia funções de Director-Geral dos Recursos Florestais, tendo sido também Presidente do Instituto da Vinha e do Vinho e Director Regional da Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo.
Para esta estrutura, foram ainda nomeados como Vice-Presidente, o Dr.Luís Duarte (ex-Subdirector-geral dos Recursos Florestais), e como Directores Nacionais os engenheiros Paulo Mateus (ex-Subdirector-Geral), António Gravato ( ex-Chefe da Circunscrição Florestal do Centro) e João Pinho (ex-Director de Serviços de Defesa da Floresta contra Incêndios).
Esta nova Autoridade Florestal Nacional tem por missão, a valorização ambiental e económica da floresta portuguesa; um melhor acompanhamento na aplicação dos fundos públicos; para além, da prestação de um vasto conjunto de serviços aos cidadãos.
Terá uma estrutura assente nas áreas negócios-fileiras; defesa da floresta e produtos; e recursos da floresta, compatibilizando as suas unidades orgânicas com as Nut’s II. O objectivo principal é transformar a nova AFN numa estrutura presente na floresta, na gestão florestal e na promoção do produto florestal.

Luís Filipe Lopes preside à Comissão para elaboração do Programa Nacional para a Valorização dos Territórios Comunitários

Com a criação da Autoridade Florestal Nacional, foi criada uma Comissão para a elaboração do Programa Nacional para a Valorização dos Territórios Comunitários. Comissão esta, que é coordenada pelo Engº Luís Filipe Lopes, que tem raízes em Cabeceiras de Basto.
Esta Comissão deverá incorporar elementos das estruturas representativas do universo dos baldios e, sempre que se justifique, elementos dos serviços e municípios onde se situam os terrenos baldios.
Recorde-se que os terrenos comunitários são, no universo florestal, um património valioso e um importante espaço de actividades silvícolas.
As políticas promovidas nos últimos anos, nem sempre tiveram uma linha clara de actuação que impediram, em muitas circunstâncias, a afirmação dos «baldios» enquanto espaços florestais geradores de bens e serviços fundamentais para as comunidades locais e para o país.
Com o Programa de Desenvolvimento Rural e a Estratégia Nacional para as Florestas, importa olhar o universo dos baldios na perspectiva da valorização florestal, da qualificação da gestão, da certificação e da incorporação das melhores práticas.
É neste âmbito, que o Governo quer concretizar um Programa Nacional para a Valorização dos Territórios Comunitários capaz de identificar estrangulamentos e encontrar soluções para os problemas que hoje se vivem.

Novo Director Regional de Florestas

A Região Norte tem, desde o dia 1 de Setembro, um novo Director Regional de Florestas. A escolha do Governo recaiu sobre o Engº Rogério Rodrigues, responsável pelas áreas da caça e pesca da antiga Circunscrição Florestal.
Mestre em políticas cinegéticas, foi ao longo dos anos um dos quadros das estruturas florestais mais interventivos em congressos e seminários. Um rosto já conhecido dos cabeceirenses ligados ao sector florestal, que agora assume novas responsabilidades na estrutura da recém criada Autoridade Florestal Nacional. A sede desta Direcção Regional será em Vila Real, em conformidade com o Programa da Reforma da Administração Pública.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.