Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 07-07-2008

SECÇÃO: Informação

Vida e obra

Joaquim Gonçalves dos Santos, nasceu a 13 de Abril de 1936, na freguesia de Riodouro, deste concelho de Cabeceiras de Basto
Filho e neto de “amantes da música”. O pai e o avô tocavam guitarra, flauta transversal e harmónica.
Estudou no Seminário de Braga e após a sua ordenação sacerdotal foi nomeado professor de música no Seminário de Filosofia de Braga, frequentando no Conservatório da cidade, além de outros, os cursos de Composição, Canto e Solfejo.
Em 1963 segue para Roma, a expensas próprias, conseguindo uma bolsa de estudo do Estado Italiano. Logo a seguir, em 1964 e até final do curso à data de 1969, recebe uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian.
Licenciado em Canto Gregoriano e Composição.
Possuidor do Curso Complementar de Órgão pelo Pontifício Instituto di Musica Sacra de Roma e do Curso de Direcção e Interpretação Polifónica do Conservatório de Santa Cecília de Roma.
Em 1965 é premiado com uma viagem de estudo à Alemanha, pelas suas composições (várias para órgão, piano, violino e dois pianos e coro), executadas em concertos nas salas do Pontifício Instituto di Musica Sacra.
Regressado a Portugal exerceu a sua actividade musical no Seminário Conciliar de Braga e depois no Colégio Arquidiocesano de Cabeceiras de Basto, bem como em várias escolas do Estado e na Escola Superior de Fafe.
Foi orientador de vários Estágios de Professores de Educação Musical.
A partir de 1983 leccionou História da Música no Instituto Superior de Teologia de Braga, e Composição, Piano e Órgão no Seminário.
A 13 de Abril de 1984 estreou-se, em versão orquestral.
A sua produção é abundante e variada, tocando os vários sectores da arte musical, desde a recolha e harmonia de canções populares, passando por canções didácticas para piano e/ou instrumentarium Orff, composições para banda, coro e banda, música de câmara, até à música sinfónica e coral-sinfónica.
Um destaque especial para as últimas criações:
Roma Eterna, sinfonia para orquestra;
Passio et Mors D.N.J.C. Secundum Lucam, oratório para cinco solistas, coro e orquestra;
Laudes Creaturarum, S. António dos Portugueses e Noiva do Marão, cantatas para barítono solo, coro e orquestra;
Concertos para piano e orquestra, violino e orquestra, clarinete e orquestra de sopros, violoncelo e orquestra de sopros;
Prologus para piano solo;
Capricio e Pequena Fantasia para marimba e órgão;
Sinfonia do Silêncio para barítono, violino e órgão.
Compositor identificado com a estética do seu tempo, revelando-se na sua obra influências dos compositores M. Ravel, B. Britten, I. Stravinsky, F. Martin e K. Penderecki.
Recebeu em 1999 a medalha de ouro de mérito concelhio.
É membro honorário da Associação Portuguesa Amigos do Órgão.
A 13 de Abril de 2007, por ocasião do 71º Aniversário, o Município de Cabeceiras de Basto, homenageou o compositor na Igreja do Mosteiro de S. Miguel de Refojos, com a realização de um Concerto, reunindo autarcas, familiares, amigos e população em geral.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.