Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 16-06-2008

SECÇÃO: Opinião

“ARTE”

Arte pura e bela
Expele do mundo a demência
Um sufoco, uma sequela
Liberta a tua essência

Rodopios, sensações
um tornado
de emoções
sentimentos inconstantes
choro de alegria
mágoa e perdão
já o sonhador dizia
a arte é divulgação

Afoga-me nas tuas águas cristalinas
Espuma do vento, brisa do mar
Caravela quinhentista
Que anseia por naufragar

Ao leme da caravela
Vai o conquistador infante
Com a arte pura e bela
Onde o sonho é constante

Naufrágio devastador
Nos teus braços me entrego
Agarra-me, prende-me, sufoca-me
Dá-me o teu amor
Provoca-me

Desejo-te arte
Em intensa sucção
Desejo o teu âmago
Imune à podridão
Mantém-me contigo
Em relação acesa
Mantém-me contigo
Sou a tua presa

De relance…
Olho as distorcidas cores do horizonte
Salva-o arte da distorção
Destrói o inculto muro
Olho de novo
Depois da tua acção
Não atrás mas a defronte
Salvaste-o arte
Salvaste o futuro
Cores de Marte
Cores da paixão
Salvaste-o arte
Da distorção

Duarte Ribeiro

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.