Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 14-04-2008

SECÇÃO: Espaço Universitário

Vislumbrar a ordem do Universo espreitando por uma folha monoatómica de Carbono

Num artigo do último volume da revista Science, cuja publicação é avançada on-line, no dia 4 de Abril, na Science Express, o grupo da Universidade de Manchester do Prof. Andre Geim e dois investigadores da Universidade do Minho, o Prof. Nuno Peres e o Dr. Tobias Stauber, mostram que é possível determinar um parâmetro fundamental da estrutura do Universo, espreitando através de um novo material, o grafeno, que é simplesmente uma camada de Carbono com um átomo de espessura.
A possibilidade de existência de Vida no nosso planeta está estreitamente relacionada com uma constante física fundamental que determina a intensidade com que interagem a matéria e a luz, a constante de estrutura fina. O seu valor é perto de 1/137.
O Prof. Geim, que em 2004 descobriu o grafeno, uma folha de átomos de carbono, com apenas um átomo de espessura, organizados numa rede cristalina que se assemelha a um favo de mel, afirma: “Mude-se o valor desta constante de poucos por cento e a vida não existira porque as reacções nucleares nas estrelas geradores do Carbono a partir dos elementos mais leves não seriam permitidas. Sem Carbono não há vida.”
O seu gupo produziu membranas suspensas de grafeno de grandes dimensões e observou a transmissão de luz através das mesmas, verificando que absorvem 2,3 por cento da luz vísivel. Os cálculos teóricos dos Investigadores da Universidade do Minho, mostraram que a percentagem de absorção de uma folha de grafeno é dada pela constante de (Pi) .?estrutura fina multiplicada pela constante matemática
A medição de constantes fundamentais requer em geral equipamento sofisticado e condições expeciais; a experiência de Manchester é de uma simplicidade extrordinária, já que nas plavras do Prof. Geim, pouco mais requer do que uma câmara fotográfica:
“Nós ficámos verdadeiramente espantados quando nos apercebemos que uma constante fundamental tão importante poderia ser medida de maneira tão simples. Pode ter-se um vislumbre da ordem do Universo apenas olhando para o grafeno. O grafeno continua a surpreendernos para lá da nossa imaginação e dos primeiros resultados deste material. Funciona como uma varinha mágica — seja qual for a propriedade ou fenómeno que se estude— o material responde sempre com um toque de magia. Eu estava bastante pessimista sobre a possibilidade de tecnologias baseadas no grafeno surgirem rapidamente. Agora tenho de admitir que estava equivocado. Elas estão a chegar mais cedo do que se pensa.”

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.