Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 03-03-2008

SECÇÃO: Informação

Leitura(s)

foto
Aparição de Vergílio Ferreira: verdadeira epifania…

Antes de fazer a sugestão desta edição, gostaria de deixar aqui algum do feedback que obtive em relação à minha sugestão do número anterior deste jornal. De facto, foi interessante verificar que Miguel Sousa Tavares levanta alguma polémica. Há quem o admire bastante e há quem não goste dele tanto assim. Recebi e-mails diversos, dando-me conta das suas opiniões, favoráveis ou não. Gostei do debate que suscitou!
Agora a sugestão. Desta vez vai para um livro, mas sobretudo um autor, que me diz muito: Aparição de Vergílio Ferreira. Estudei-o há já alguns anos e marcou uma fase da minha vida. Quando ouço alguma referência a ele, automaticamente o associo a esse momento. É inevitável. E isto faz-me pensar sobre o poder que os livros têm de marcar os nosso percursos e as nossas vidas. Há alguns que cumprem muito bem esse papel. Costumamos dizer que há certas músicas que, por algum motivo, marcam determinados momentos da nossa vida, fazendo com que cada um de nós tenha a sua própria banda sonora. Os livros, pelo menos para mim, também funcionam um pouco assim. Fazem parte da minha vida. Alguns porque gostei, outros porque foram completamente intragáveis e outros ainda, simplesmente, que passaram por ela. Mas todos têm um lugar na minha estante.
foto
Passado este pequeno aparte, voltemos à minha sugestão. Aparição de Vergílio Ferreira, foi, na altura com os meus 15, 16 anos, de leitura difícil. Obrigou-me a questionar, a tentar perceber termos e conceitos novos ou que então, pela idade, não faziam grande sentido para mim. Já o li segunda vez, já mais perto do dia de hoje, e agora entendo, identifico e identifico-me.
Dizem os estudiosos que é com este livro de 1959 que este autor, nascido em Melo, distrito da Guarda, no ano de 1916, e falecido em Lisboa em 1996, é definitivamente consagrado como representante do romance existencialista. Dizem, também, que é a partir deste livro que ele trata quase que obsessivamente os mesmos temas da vida e da morte, do amor, da solidão, da “sondagem das profundezas do eu”, ou seja, e genericamente, o tema essencial da sua obra foi o de procurar o sentido da existência num universo sem sentido.
Eu digo apenas que gosto de Vergílio Ferreira. Quase numa resposta infantil, gosto porque gosto. Gosto da sua forma de escrita, das suas ideias, da sua simbologia, das suas personagens, do tentar desvendar o interior dessas mesmas personagens…
Fica a sugestão: para quem já conhece, o conselho de revisitar, para quem nunca o leu, conheça-o.
Título: Aparição
Autor: Vergílio Ferreira
Editora: Bertrand

Por: Joana Barbosa

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.