Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 11-02-2008

SECÇÃO: Informação

Posto de Fomento Cinegético de Moinhos de Rei

Local de colocação de ovos
Local de colocação de ovos
Criar perdizes e repovoar Zonas de Caça Municipais

Localizado em plena Serra da Cabreira, a 850 metros de altitude, encontra-se o Posto de Fomento Cinegético de Moinhos de Rei, em Abadim. Trata-se de uma estrutura criada em 1970, que desde 2006 é gerida em parceria entre a Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto e a Direcção Geral dos Recursos Florestais, vinculada à assinatura de um protocolo. O espaço, é assegurado tecnicamente pela Circunscrição Florestal do Norte, entidade que dispõe de 20 por cento da reserva de perdizes e de coelhos, enquanto que à autarquia cabem os restantes 80por cento da produção animal, garantindo-se desta forma uma gestão com «recursos humanos e financeiros de proximidade». Por sua vez, a Câmara Municipal suporta a alimentação, a assistência veterinária, bem como a execução de obras de conservação e restauro dos cercados, pavilhões e jaulas existentes no Posto de Fomento Cinegético. Trata-se por isso de uma mais valia para a Autarquia, já que o protocolo assumido, além de garantir serviços de proximidade, permite a utilização da produção animal existente no repovoamento das Zonas de Caça Municipal.

Chocadeiras
Chocadeiras
Repovoamento de perdizes e coelhos

Fruto desta colaboração, e tal como sucedeu já em outras ocasiões, foram libertadas no final do mês de Janeiro, centena e meia de perdizes, permitindo o repovoamento e a valorização das Zonas de Caça Municipais. Este é um trabalho conjunto, cujo êxito se deve em parte, ao trabalho que tem sido desenvolvido pela Câmara Municipal ao nível da recuperação de jaulas e parques de voo, garantindo assim, condições propícias à sua reprodução/produção. A Câmara Municipal tem vindo igualmente a intervir na beneficiação dos cercados destinados à criação de coelhos, que em breve deverá atingir os 200 animais. A criação de aves, essa rondará um milhar de exemplares, aquando do funcionamento em pleno desta estrutura cinegética. Recorde-se que o Posto de Fomento Cinegético arrancou com 20 casais de perdizes destinados à produção. O espaço foi alargado e tem agora capacidade para 200 casais, ainda que neste momento sejam 75, os casais existentes e cuja produção se destina essencialmente ao repovoamento das zonas/reservas de caça municipais, que abrangem cerca de 14 mil hectares, num total de 13 freguesias. Em Julho próximo prevê-se que sejam postos em liberdades os primeiros coelhos.
Jaulas de crescimento
Jaulas de crescimento

Um ciclo natural e integrado

As aves encontram ao ar livre mediante condições climatéricas adversas, factor que garante ao animal em cativeiro condições de sobrevivência. Nas jaulas, com durabilidade de cinco anos, são postos cerca de 40 ovos – média anual – que são depois transportados para incubadoras, onde permanecem durante 24 dias, período este, após o qual as aves transitam para o pavilhão da primeira idade, onde permanecem cerca de 30 dias. As jaulas de segunda idade acolhem posteriormente as perdizes, que uma vez prontas a sair, são colocadas em parques de voo.
Pousio de perdizes pelo período mínimo de 30 dias
Pousio de perdizes pelo período mínimo de 30 dias
Um trabalho aturado que diariamente é desenvolvido por um casal de responsáveis que residem na casa de guarda-florestal ali localizada e que desta forma garantem a gestão daquele espaço, seja na incubação e apanha dos ovos, seja na alimentação dos animais, seguindo técnicas adquiridas ao longo dos anos com os técnicos da Circunscrição Florestal do Norte.

Novos projectos assentam na inovação e investigação

Parque de voos
Parque de voos
O Posto de Fomento Cinegético de Moinhos de Rei, pretende no entanto ir mais além e tem já projectos para o futuro que assentam na investigação e na inovação como formas de aumentar, melhorar e alargar a produção animal a outras espécies tais como o corso e a codorniz.
Um projecto ambicioso que conta com a disponibilidade da Autarquia Cabeceirense para colaborar, uma vez que a já testada parceria estabelecida entre estas duas entidades, reúne condições para que além da produção, se possa encetar um processo de investigação no sentido de aprofundar e melhorar o conhecimento ao nível da produção animal. Segundo Joaquim Barreto, Presidente da Câmara Municipal, que tivemos oportunidade de ouvir, «há a possibilidade de alargar a valência deste posto à criação da codorniz e do corso» que deve naturalmente, ser desenvolvida em conformidade com as orientações técnicas da Circunscrição Florestal do Norte. A concretizar-se, este projecto irá sem dúvida, potenciar, valorizar e desenvolver o interior e as zonas rurais, representando por isso uma mais valia para o concelho, salientou o autarca. O aproveitamento dos recursos naturais, através deste Posto de Fomento Cinegético, permite assim, desenvolver e dinamizar um equipamento construído há mais de quarenta anos. O autarca lembrou ainda que o concelho é detentor de uma grande mancha florestal, com zonas de caça que se desenvolvem em todo o território e foi esta «forte relação» das pessoas ao posto de fomento cinegético que «empurrou» a autarquia a assumir a dinamização daquele espaço, contribuindo assim para o aumento de caça e o repovoamento do território.
Zona de reprodução
Zona de reprodução
Por fim, o edil Cabeceirense, salientou que o aumento do número de caçadores, pontecia o aumento e o desenvolvimento da economia e do turismo local e garante a presença humana na floresta, o que se traduz num reflexo preventivo nos incêndios e na valorização e promoção do uso múltiplo da floresta.



Zona de alimentação
Zona de alimentação





© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.