Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 15-12-2007

SECÇÃO: Opinião

NO ROTEIRO DAS COZINHAS TRADICIONAIS

O convite já tinha sido formulado há muito tempo. As opiniões eram muitas e boas.

foto
Assim, um grupo de amigos que com frequência se reúnem à volta da mesa para umas tertúlias rumou até Vidago à procura de um famoso cozido à portuguesa.
Graças às novas acessibilidades (auto estrada A/7 e A24) a viagem até à Vila Termal de Vidago durou apenas 25 minutos.
Saindo no nó de Vidago basta seguir as placas que indicam Boticas até chegar ao local denominado Praia de Vidago onde o rio Tâmega nos oferece uma paisagem de sonho.
Sobranceira ao Tâmega, eis a casa de Souto Velho, propriedade do nosso amigo e conhecido de muitos Cabeceirenses Professor Osvaldo. Leccionou em Cabeceiras de Basto, na escola EB 2,3 e no Colégio em cursos de educação de adultos entre os anos 1988 e 1995.
A Casa de Souto Velho pertence à rede de Tabernas do Alto Tâmega, conta com o apoio da Região de Turismo e fundos comunitários ( Projecto Leader ) e tem como objectivo a divulgação dos produtos locais e tradicionais, neste caso ligados à Gastronomia.
A sala de jantar tem uma decoração onde a madeira de castanho impera, objectos ligados à agricultura que lhe dão uma decoração muito bonita.
Ecos de Basto falou com o amigo Osvaldo que nos irradiou com o sucesso de um sonho ansiado à muito tempo.
A Casa de Souto Velho serve três pratos de referência: cozido à portuguesa, galo com cogumelos e pica no chão de cabidela. O segredo da qualidade destes pratos reside no facto de todos os produtos serem de exploração ( fabrico ) própria.
Assim no caso das carnes os porcos ( Raça Bisara ) são criados em pocilga própria, os fumeiros ( chouriço de cabaça, linguiça, salpicão, presunto etc… ) são feitos em cozinha própria e fumados à boa maneira Transmontana.
As famosas pencas de Chaves são colhidas na horta e o vinho das sua vinhas de Souto Velho e que muitos de nós já conhecíamos dos tempos em que ele nos trazia umas garrafas para provar.
Os galos e galinhas andam livremente, sendo a alimentação das aves e também dos porcos à moda antiga . Convém referir que todos estes locais de criação e de fabrico são regularmente fiscalizados pelas entidades competentes.
Foi com muito orgulho que mostrou ao nosso Jornal as referências que a Imprensa tem dedicado à Casa de Souto Velho, desde a conceituada Revista Visão ao Jornal Público e muitos outros, os louvores de credenciados jornalistas na área da Gastronomia deixam-no imensamente feliz assim como à sua simpática esposa D. Eufrásia que é a cozinheira.
De seguida tivemos nas mãos o livro de honra da casa muito volumoso, sinal de muita clientela, Não deixamos de reparar que além de dedicatórias de imensas figuras públicas que saborearam o famoso cozido, constam a do actual primeiro – ministro e a do Presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras. O nosso grupo pelo punho do Dr. João Carlos também deixou uma palavra amiga e de incentivo no referido livro.
O amigo Osvaldo posou para a foto do nosso jornal com o certificado do 1º lugar ganho em concurso internacional no âmbito das cozinhas tradicionais.
No final desta pequena conversa foi-nos então servido o famoso cozido à Portuguesa que com o toque especial da D. Eufrásia mereceu de todos os presentes ( quase todos professores ) nota vinte.
Não pretende este artigo fazer qualquer tipo de publicidade em prejuízo dos muitos e bons restaurantes do Concelho de Cabeceiras, mas se estiver em viagem ou por algum motivo passar por Vidago aproveite, vai gostar. Já agora a informação que a casa de Souto Velho só serve refeições por marcação. Aqui fica o contacto: telf. 276999250/ telm. 934817259

Augusto Soares

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.