Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 31-10-2007

SECÇÃO: Golpe de vista

Sou contra!

Felizmente a informação que hoje nos é disponibilizada, através dos diferentes meios de comunicação, tem permitido que tenhamos opinião sobre as mais diversas matérias. Isto é um bom indicador do nível de desenvolvimento de uma sociedade. Só temos que nos regozijar com isso. A ignorância aproveita a alguns e num passado não muito longínquo, essa ignorância, aliada ao analfabetismo da maioria da população, permitiu que a nossa sociedade fosse dirigida por uns tantos sem que a voz do povo fosse tida em conta. Passaram pouco mais de trinta anos e o nosso país progrediu como poucos. Embora não seja essa a opinião de alguns, na verdade, bem se pode dizer: oh meu Portugal, quem te viu e quem te vê!!!
Mas, nem sempre o acesso à informação tem sido utilizado da melhor maneira e, muitas vezes, pensando estar bem informadas, as pessoas tomam partido por esta ou aquela solução sem, contudo, se preocuparem em saber de que lado estará o bem ou o mal.
É talvez por isso que hoje está instalada na nossa sociedade a atitude do ser contra. Sou contra isto, sou contra aquilo. Sou contra e nem sei bem porquê, mas isso também parece não interessar ou interessar muito pouco. Sou contra e ponto final. Com efeito, está na moda ser do contra.
Senão vejamos:
Sou contra as barragens, mas não quero que me falte a energia eléctrica;
Sou contra as linhas de muito alta tensão, mas não quero voltar a lavar a roupa no rio ou a guardar a carne na salgadeira – lá em casa os electrodomésticos fazem parte do nosso quotidiano;
Sou contra as antenas dos telemóveis, mas já não sei viver sem telemóvel e tantas vezes protesto: “que chatice aqui não há rede”;
Sou contra a co-incineração, mas lixos perigosos no meu quintal era só o que faltava;
Sou contra o fecho da escola da minha aldeia, mas há anos que os meus filhos estão matriculados na escola da vila;
Sou contra os transgénicos, mas não quero que me falte o pão fresco e já agora ao melhor preço.
Sou contra o traçado da nova estrada, mas quero uma auto-estrada à minha porta;
Sou contra a construção da ponte ou do viaduto, mas quero chegar à outra margem o mais depressa possível;
Enfim!
Ter opinião é muito bom.
Mas, é preciso que essa opinião signifique conhecimento, cultura e saber. Só assim, estaremos a caminhar para uma sociedade mais desenvolvida, mais evoluída.
Haja bom senso e ponderação.
Ser contra só porque está na moda é sinal de ignorância e de analfabetismo.

A. C.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.