Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 15-09-2007

SECÇÃO: Região

O feitiço virou-se contra o feiticeiro…

foto
No passado dia 3 de Maio de 2007, na Praia da Luz, no Algarve, deu-se o alarme de um suposto desaparecimento de uma criança de 4 anos, de nacionalidade Britânica, chamada Madeleine McCann, filha de um casal de médicos que estavam a passar ferias no nosso país.
Dado o estrato social da família, seus conhecimentos e nacionalidade, rapidamente o alarme passou de nacional para internacional, tornando-se num dos casos mais mediáticos até então.
Muitas suspeitas se levantaram, muitas vagas de imaginação transformou-se de especulações para quase factos, rios de tinta e papel gastos a descrever cada passo do casal McCann, ora agora estavam em casa, ora agora iam à missa, ora iam passear na praia, ora tanta coisa que não interessa senão àqueles que necessitam de satisfazer o bichinho da curiosidade para darem asas ao imaginário, viajando assim na montanha russa dos acontecimentos deste caso mediático, que até agora ainda não vimos a luz da recepção…
Claro que o desenrolar rápido da mediatização fez coçar o nariz a muita gente, pelo menos os mais atentos, senão como poderiam em tão pouco tempo serem recebidos pelo Papa Bento XVI? figura esta que não se dá ao luxo de receber quem o solicita, e a posição do Governo Britânico? Polícias e mais polícias de várias áreas e nacionalidades envolvidas de modo a descobrirem o enredo que parece cada vez mais vertiginoso…a conta que abriram para desencadearem meios privados para encontrar Maddie, que num flash se tornou numa conta avultada…enfim, se fosse objectivo identificar os acontecimentos e relações bizarras deste caso, gastava muita tinta ao nosso jornal regional…
Importa reter a injustiça da proporção que este caso levou aquando comparado com tantos mas tantos casos de desaparecimento de pessoas, infelizmente, que acontecem em Portugal e que passam imediatamente despercebidos.
Mas afinal não são todos seres humanos? Qual a diferença? Não lutamos por uma sociedade equitativa? O desaparecimento de A ou B não devem ter a mesma importância para a Justiça Portuguesa? Esta é a velha história da sociedade que remonta aos tempos primitivos, em que o filho do líder da caverna é mais importante do que os outros, não por ele ser diferente, porque muitas vezes são os filhos dos mais humildes que trazem medalhas para o país, que erguem a nossa Bandeira no Pódio dos concursos internacionais, e não os filhos da fortuna.
Hoje, meses após toda a mediatização do caso Maddie e de tantas buscas e pistas, desconfiamos que os coitadinhos (assim apelidados) Gerry e Kate McCann afinal não são assim tão inocentes.
Deixemos o caso correr e veremos o feitiço a virar-se contra o feiticeiro…e aí quero ver se a Imprensa nacional e internacional irá dar tanto ênfase ao caso…e se restituirão o dinheiro recebido para as buscas (oferecido por instituições e privados para utilizarem todos os meios possíveis de modo a encontrar a menina que talvez nunca tenha desaparecido a conhecimento dos pais) a quem é devido ou doar a instituições de solidariedade social.

Por: Sílvia Machado

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.