Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 15-08-2007

SECÇÃO: Golpe de vista

Justa homenagem

Um grupo de amigos entendeu dever fazer um jantar de solidariedade e amizade para com Joaquim Barreto, na sequência da sua Absolvição no processo que lhe foi movido pelo Ministério Público com origem numa denúncia feita pelo PSD local.
Efectivamente, este processo teve início no final do ano 2001 quando o PSD de Cabeceiras de Basto apresentou uma denúncia no Tribunal e na Polícia Judiciária. As razões para tal prendiam-se, segundo os denunciantes, com alegadas promiscuidades entre Joaquim Barreto, Presidente da Câmara e algumas Associações de que era dirigente. Com a denúncia apresentada ao Tribunal de Cabeceiras, o PSD pretendia que Joaquim Barreto fosse impedido de se candidatar a Presidente de Câmara nas eleições autárquicas desse ano. Com a denúncia à Polícia Judiciária o PSD pretendia procedimento criminal contra o autarca. Impedir Joaquim Barreto de se candidatar seria, no espírito daqueles, um boa hipótese de chegar ao poder. Lá terão congeminado que só assim se veriam livres de um homem que pela obra feita vai obtendo o voto e a confiança dos cabeceirenses em sucessivas eleições. Não o conseguiram. Neste processo o PSD sofre a primeira derrota. O Tribunal validou as listas do Partido Socialista. Joaquim Barreto foi candidato e voltou a ser o Presidente da Câmara Municipal. O PSD perdeu as eleições. Foi a segunda derrota.
Sobre a restante matéria o Procurador procedeu a inquérito e no seu despacho de 5 de Julho de 2006 refere que a actividade de Joaquim Barreto “…é tão profícua que só pode ficar a dever-se ao seu dinamismo”. E acrescenta: “…em nenhum momento se conseguiu discernir qualquer indício que apontasse para que os interesses públicos ficassem prejudicados nesta interacção e prejudicados face aos interesses privados das associações onde Joaquim Barreto ocupava cargos”.
Mas, no decorrer do referido inquérito, aparece uma testemunha a fazer declarações contraditórias no Tribunal e que levam o Ministério Público a acusar Joaquim Barreto do crime de participação económica em negócio. Entretanto, em 2005 realizam-se novas eleições autárquicas. Barreto é novamente candidato e volta a ganhar as eleições. Terceira derrota para o PSD local.
Em 2007 realizou-se o julgamento, o Tribunal concluiu que não houve crime e absolveu Joaquim Barreto. Neste processo o PSD obteve a quarta derrota. E digo o PSD porque este partido e os seus dirigentes locais apostaram forte neste processo. A partir da acusação, em Julho de 2006, não se cansaram de emitir comunicados para a imprensa exigindo a suspensão do mandato de Barreto. Sem razão como se viu. Azar. Ficam sempre do lado errado. Talvez por isso tentem nos Tribunais aquilo que não conseguem através dos processos democráticos.
Agora, no passado dia 3 de Agosto, cerca de um milhar de pessoas estiveram no Pavilhão Desportivo de Refojos para manifestar a Joaquim Barreto a sua solidariedade e amizade depois de alguns anos naturalmente difíceis e tristes para o autarca, para a sua família e para os seus amigos, porque alguém pôs em causa a sua honorabilidade e a sua honestidade.
Foi justa esta homenagem.

A. C.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.