Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 15-06-2007

SECÇÃO: Golpe de vista

Queixinhas

Nunca são bem vistos, na escola, na catequese, nas brincadeiras de rua ou onde quer que se juntem, os meninos ou meninas que, por tudo ou por nada, fazem queixinhas ao papá, ao professor, ao catequista. Efectivamente, são muitas vezes marginalizados na sala de aula, no recreio, nas brincadeiras, nos trabalhos de grupo ou até no seio da própria família, porque estão sempre a fazer queixinhas. Oh pai, ele bateu-me! Oh senhora professora, ele tirou-me o lápis, ele riscou-me o caderno! Oh D. Aidinha, ele sentou-se no meu banco! … Enfim, um chorrilho de queixumes que os demais não gostam de ouvir.
Em Cabeceiras de Basto, a luta político-partidária também tem gente que se comporta como estes “putos”, já que passam o tempo todo a fazer queixinhas. O PSD local há anos que anda nesta vida. Não conseguindo esgrimir argumentos suficientemente fortes, não conseguindo abraçar causas e projectos válidos, não conseguindo apresentar um programa realista aos cabeceirenses e, com isso, apresentar-se ao eleitorado em condições de vencer, os dirigentes social-democratas de Cabeceiras disparam em todas as direcções, na esperança de atingir o alvo – leia-se, presidente da Câmara.
Já houve reclamações, protestos, queixas, participações, denúncias e requerimentos para todos os gostos. Aquisição de viaturas, licenciamento de obras, compra de terrenos, doações efectuadas, doações aceites, apoios concedidos, procedimentos administrativos, planos de pormenor, planos de urbanização, adjudicações, investimentos e muito mais, foram motivos que o PSD local encontrou para se dirigir às autoridades fiscais, administrativas, policiais e judiciais, pondo em causa o trabalho desenvolvido pela autarquia cabeceirense, liderada por Joaquim Barreto.
Ao que sei, não têm sido bafejados pela sorte e, umas atrás das outras, não têm dado o resultado pretendido. Contudo, os seus autores, pouco argutos, continuam nesta saga, esperando um dia deitar abaixo o poder socialista. Não, através de eleições, mas sim por qualquer outro processo com origem nas referidas queixinhas.
O que espanta é que, enquanto os “putos”, crianças que na sua inocência e sem qualquer responsabilidade, fazem queixas inofensivas e sem intenção de prejudicar terceiros, o comportamento destes senhores, que se esperaria responsável, tem um objectivo claro: prejudicar. E não tenhamos dúvidas, com estas atitudes Cabeceiras de Basto tem mais a perder do que a ganhar.
Tenho a certeza que o povo sabe isso. Se assim não fosse, já teriam premiado esta postura dando maioritariamente o voto aos social-democratas.
Como no caso dos miúdos que são marginalizados, também aqui o PSD tem sido marginalizado pela maioria dos cabeceirenses.
Com tanta queixa, queixinha e queixume, ainda vão parar ao Guinness.

A. C.

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.