Associação Dinamizadora dos Interesses de Basto
Edição de 29-09-2014

Arquivo: Edição de 15-05-2007

SECÇÃO: Opinião

Narrativa
PEDAÇOS DE VIDA (9)

(cont.)
Chegados ao destino, a primeira coisa a fazer foi desatrelar cada uma das juntas de vacas dos respectivos carros, e pô-las a comer um pequeno feixe de feno, que fora preparado de manhãzinha cedo, antes de saírem de suas casas, e transportado em cima das mobílias de cada um dos carros. Foram colocadas, cada uma delas voltada para o seu penedo, de um vasto conjunto de penedos que se encontravam dispersos ao redor da casa, do lado do monte, para que o feno não lhes escapasse da frente dos focinhos, e se espalhasse pelo chão, pisando-o de seguida, passando a não servir para ser engolido, e posteriormente ruminado.
Seguiu-se a descarga, e colocação nas respectivas divisões, de cada uma das componentes do mobiliário e outros bens, para, o mais rapidamente possível, se poder comer a merenda, já eram quase três horas. A primeira peça a ser colocada no seu sítio foi a meia pipa, o vinho já tinha acalmado dos solavancos do caminho entre a capela de Santo Amaro e o local de destino, foi a rebolar pelo chão, passando pela frente das escadas que sobem do quinteiro para a varanda, atravessou o quinteiro que ainda não tinha mato e entrou na adega, ficou colocada em cima de dois pequenos barrotes de um pinheiro, que fora cortado na ocasião, no monte que fica por trás da casa. Depois foi a masseira e o escano colocados na cozinha, e pegou-se nas duas cadeiras para que se pudessem sentar, o Senhor Malvino mais o Senhor Claudino, uma tábua, com cada uma das extremidades colocada em cima de cada uma das cadeiras, serviria para se sentar três dos restantes elementos, a mulher de família não se sentaria, já que tinha a missão de distribuir as postas de bacalhau e pão por todos os presentes. Os dois gémeos já tinham mamado, cada um na sua mama, e dormiam, em cima de duas mantas, que tinham sido colocadas no chão, a um canto do sobrado. O Zé sentou-se no chão, encostado à taipa, que divide a cozinha do sobrado.
Foi então servida a merenda, uma posta de bacalhau frito, em cima de uma fatia de pão, a cada um; bebeu-se vinho de uma infusa, que o dono da casa fora entretanto buscar à meia pipa que já estava na adega, tirando-o através de uma espicha, uma vez que ainda não tinha sido colocada a torneira, acessório que muito provavelmente nunca viria a ser usado, e a meia pipa poderia muito bem acabar por ver todo o seu conteúdo esvaziado através da espicha, atendendo ao facto de que a torneira custava umas quatro ou cinco coroas, e estas eram por demais escassas. Beberam todos, à vez, pela infusa. Era assim, em comunidade, que se comia e bebia, sobretudo em dias de serviçada, ou de mudança de terras, como era o caso em apreço. Ao Zé, por ser ainda pequeno, coube-lhe uma posta de bacalhau mais pequenina, era aquela parte mais da extremidade do rabo do bacalhau, depois de retirado o leque, por isso tinha a espinha dorsal que ele trincou com os dentes para retirar, do interior de cada um dos nódulos a medula, que comeu com agrado, era mais salgada e por isso mais apetitosa.
Terminada a merenda saíram todos. Primeiro iniciou a saída o Jaime, que ficou encostado, por instantes, à tranqueira da porta que dá entrada para a varanda. Entretanto saiu a Alice, que passou pelo lado e lhe deu, de propósito, embora fingindo que foi por acidente, com o ombro direito no seu ombro esquerdo, ele ficou corado, a olhar para o chão, sem dizer palavra. Depois saíram os três homens. O Senhor Malvino, que já tinha instruções do patrão das terras para, logo que possível, comprar uma junta de vacas para o novo caseiro começar a pensar, ao mesmo tempo que saía, foi-lhe dizendo que na próxima segunda-feira o esperaria, por volta do meio-dia, na feira do gado, para procurarem então uma junta de vacas prontas a irem ao boi, ou, caso surgisse essa possibilidade, já prenhas de algum tempo. Que sim, disse o jovem caseiro, ao meio-dia da próxima segunda feira, encontrar-se-ia com ele na feira do gado, junto ao casarão do grémio.
Parece ser nossa obrigação, e sem mais delongas, referir os nomes completos dos intervenientes nesta lide, já que por lapso, e disso nos penitenciamos, não o fizemos antes. O chefe de família chama-se Manuel Carlos Couceiro, a mulher chama-se Maria Margarida de Paiva. Os filhos, por conseguinte, têm os apelidos de Paiva por parte da mãe e de Couceiro por parte do pai. O mais velho, que tem agora pouco mais de três anos, e tratamos quase sempre por Zé, chama-se, efectivamente, José de Paiva Couceiro. É assim que está registado, e é assim que consta da sua cédula de registo de nascimento.
Como combinado, na segunda-feira da semana imediatamente a seguir ao dia da mudança, o jovem caseiro da Eirinha compareceu, à hora marcada, no Campo do Sêco, junto ao casarão do grémio, na feira do gado, onde se encontrou com o Senhor Malvino. Este já tinha debaixo de olho uma junta de vacas, ambas prenhas de três meses, e pela primeira vez, pertenciam a um caseiro, este já com mais de setenta anos, que as vendia porque ia deixar, naquela semana, a lavoura que estava a granjear, na Deveza, em Santa Senhorinha. Aliás, esta era já a terceira vez, em três segundas-feiras seguidas, que as feirava, pois tinha urgência em vendê-las, mas o mercado não estava de feição.
Depois de darem uma volta completa ao recinto da feira do gado, passando pela frente, primeiro, e depois por trás de todos os animais, que se encontravam devidamente perfilados. Eram rapazes e raparigas, com idades entre os doze e os dezoito anos, que os seguravam pelas sogas, mantendo-os com as cabeças bem levantadas, para que se pudesse ver convenientemente os tamanhos e o alinhamento dos cornos, os quais se encontravam enfeitados com borrachas nas pontas, e reluzindo ao sol, por terem sido untados com azeite.
O Senhor Malvino dirigiu-se aquele que já tinha debaixo de vista e perguntou-lhe:
- Então Senhor Paulo - O Senhor Malvino tinha pouco mais de quarenta anos e o Senhor Paulo tinha mais de setenta - quanto pede hoje pelas vitelas?

(continua-10)

Por: Torcato Santiago

© 2005 Jornal Ecos de Basto - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital. Comentários sobre o site: webmaster@domdigital.pt.